Este clássico dos quadrinhos, que se passa em um universo alternativo, nos traz um excelente história do Batman que enfrenta o começo da velhice, a juventude, a sociedade e… a morte.

Batman: O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller

Vemos Frank Miller agora redefinindo um cinquentão Batman, que está velho e cansado, porém, ávido por se sentir vivo de novo. E isso só vem quando ele volta a ação. Mas o que o faz voltar à ação é o desejo de justiça contra aqueles que não sossegam enquanto não são totalmente cruéis com quem está à sua volta.  E ao voltar a ação ele desencadeia certas coisas que logicamente, a imprensa e a polícia o culpam.

A volta do Coringa, o mistério do Duas Caras e uma nova Robin, são algumas das situações e tudo isso ocorre enquanto está acontecendo um conflito de proporções nucleares está acontecendo no mundo entre os EUA e os soviéticos. E a arma secreta do governo tem que entrar em ação, e esta é o Superman. Velho amigo de Bruce, que agora faz de tudo para continuar a salvar vidas, inclusive virar um pau mandado do governo que o usa como um cão de caça.

Claro que a volta do Cavaleiro das Trevas à ação não vai tão bem assim, apesar dele estar se sentindo muito bem em combater o crime – e de quebra a polícia. Ele se lembra sempre de experiências fracassadas, inclusive da morte de um Robin passado, e acima de tudo isso está no fracasso em conter a loucura do Coringa. Além de tentar extravasar todo o seu ódio contido, ele está sempre em busca de nostalgia, em busca de reviver seus bons e velhos tempos onde era mais jovem.

Batman: O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller

Doravante, o ponto mais positivo desta obra de Frank Miller está em sua mudança de atitude ao encarar alguns problemas. Em vez de entrar em loop vicioso de captura, fuga, captura, ele começa a buscar outras maneiras de solução. De um modo que o problema não reapareça e que seja rápido. Assim, ele resolve as questões do líder dos Mutantes, de todo o resto do grupo, da Robin, polícia e por fim, o seu problema com o governo do EUA encarnado em confronto com o Superman.

Aprendemos muito sobre a psique do Batman e de Bruce Wayne, em um mundo muito mais sombrio e realista do qual a DC já tinha tentado fazer antes do lançamento desta obra e que elevou o nome de Frank Miller às alturas. O Cavaleiro das Trevas foi um marco, apesar de suas tentativas de réplicas mal feitas por outros artistas que tentaram emular certas situações em outras histórias.

É uma história estilo “Ferro na Boneca”!


bio CAIQUE